but he warns pro wind is taking you away.
“Eu fiz a besteira de tentar amar, e olha só, foi a besteira mais bem feita da minha vida. Eu amo você, isso é tão complicado, tão confuso, tão fora do eixo e tão difícil pra mim. Porque você consegue me tirar de órbita, você faz com que eu faça o que eu nunca quis fazer, você me da insegurança, medo e quase sempre tenho umas crises de personalidade. É o meu primeiro pensamento ao amanhecer e também é o motivo das minhas constantes insonias. Eu acho um pouco injusto você chegar assim, quase que por acidente e me ver de um angulo diferente do restante das pessoas. E depois eu me sinto feliz, uau, você me faz feliz. O mínimo que poderia fazer por deixar meu mundo fora do lugar, é ficar comigo, pode ser por acidente também, fica.”
~ Orquestrando.   (via evazivo)

“Quero os melhores romances, ou prefiro ficar sozinha. Quero as melhores lembranças, ou prefiro não lembrar. Ou vivo intensamente, ou vou levando essa rotina que não incomoda, não interfere, não fere, mas também não é vida. Vou dispensando tudo o que não julgo suficiente pra me roubar a solidão. Vou excluindo do meu convívio todos que não parecem prontos pra marcar meus dias.”
~ Verônica Heiss.   (via romantizar)

“Quando tudo vai bem eu acho que daqui a pouco a coisa vai degringolar. Que algo ruim pode acontecer. Que posso descobrir uma doença incurável. Que algo vai desmoronar.”
~ Clarissa Corrêa.  (via conjulguei)

“Honestamente, eu não preciso de você. Estou acostumada a estar só, já aprendi a lidar com isso, e sinceramente não está sendo problema algum. Não me faz falta nada que venha de você. Eu posso muito bem seguir em frente sem olhar para trás. Eu faço um par comigo, e em momento algum pense que imaginei você ocupando algum lugar na minha vida. Eu não preciso de você pra nada. O problema é que quando me dei conta disso tudo, eu vi que não precisar de você é diferente de não sentir sua falta.”
~ Carol Alves, promisse. (via promisse)

“Gosto de sorrisos que dói a bochecha.”
~ Hanna  (via 10reais)

“Finalmente cheguei na idade tão esperada por todos os adolescentes. 18 anos, maior de idade, faculdade, provas, responsabilidade. Mas e eu? Eu não queria que essa idade chegasse nunca. Eu nunca fui uma pessoa decidida. Me lembro bem, aos 4 anos eu queria ser professora. Aos 9 anos queria ser médica. Perto dos 15 queria ser advogada. Chegando nos 18 já não sabia mais o que queria, pra mim, qualquer coisa tava bom. Sinceramente nunca gostei de ler, nem de lidar com pessoas. Nunca me imaginei dando aula pra um bando de pivetes mal criados. E como tudo na vida, uma hora você tem que decidir algo. Ou é, ou não é. Não existe meio termo. Do mesmo jeito que não existe meio médico e nem meio advogado. Engenharia, eu escolhi. Mas cara, eu nunca gostei de matemática. Pra ser bem sincera, eu nunca gostei de coisa nenhuma. Isso inclui você, pra mim tanto faz se você viesse passar o final de semana comigo, ou se você não me quisesse mais. Honestamente, eu nunca me importei com nada. Entrei na faculdade de engenharia. Com o tempo, fui aprendendo a resolver cálculos intermináveis, parecia coisa de gente louca. Eu pirava naquele tanto de números. Comecei a decifrar coisas e não estou falando só de matemática. Meu Deus, como eu nunca tinha reparado no seu jeito de olhar pra mim? Nessa sua pinta linda no cantinho da boca? E o seu sorriso, eu prefiro nem comentar. Vi coisas em você que mudou completamente meu jeito de te enxergar. Eu não cobrava nada de você, talvez porque eu não te notava, não te entendia e não te esperava. Eu nunca gostei de matemática e nem de você. Era tudo tão complexo, você era pior que função altimétrica. Demorei muito, mas finalmente percebi que as coisas complicadas e demoradas são as que mais valem a pena. Não só pelo fato de ter sido difícil, mas pelo fato de ter sido difícil e mesmo assim, ter conseguido decifrar.”
~ Carol Alves - Eu, que imaginei morrer calculando, acabei morrendo de amor por você.    (via renascedor)

“Acho tão perfeito quando alguém me abraça sem eu pedir.”
~ Autor Desconhecido.    (via d-espreparado)

“Finalmente cheguei na idade tão esperada por todos os adolescentes. 18 anos, maior de idade, faculdade, provas, responsabilidade. Mas e eu? Eu não queria que essa idade chegasse nunca. Eu nunca fui uma pessoa decidida. Me lembro bem, aos 4 anos eu queria ser professora. Aos 9 anos queria ser médica. Perto dos 15 queria ser advogada. Chegando nos 18 já não sabia mais o que queria, pra mim, qualquer coisa tava bom. Sinceramente nunca gostei de ler, nem de lidar com pessoas. Nunca me imaginei dando aula pra um bando de pivetes mal criados. E como tudo na vida, uma hora você tem que decidir algo. Ou é, ou não é. Não existe meio termo. Do mesmo jeito que não existe meio médico e nem meio advogado. Engenharia, eu escolhi. Mas cara, eu nunca gostei de matemática. Pra ser bem sincera, eu nunca gostei de coisa nenhuma. Isso inclui você, pra mim tanto faz se você viesse passar o final de semana comigo, ou se você não me quisesse mais. Honestamente, eu nunca me importei com nada. Entrei na faculdade de engenharia. Com o tempo, fui aprendendo a resolver cálculos intermináveis, parecia coisa de gente louca. Eu pirava naquele tanto de números. Comecei a decifrar coisas e não estou falando só de matemática. Meu Deus, como eu nunca tinha reparado no seu jeito de olhar pra mim? Nessa sua pinta linda no cantinho da boca? E o seu sorriso, eu prefiro nem comentar. Vi coisas em você que mudou completamente meu jeito de te enxergar. Eu não cobrava nada de você, talvez porque eu não te notava, não te entendia e não te esperava. Eu nunca gostei de matemática e nem de você. Era tudo tão complexo, você era pior que função altimétrica. Demorei muito, mas finalmente percebi que as coisas complicadas e demoradas são as que mais valem a pena. Não só pelo fato de ter sido difícil, mas pelo fato de ter sido difícil e mesmo assim, ter conseguido decifrar.”
~ Carol Alves - Eu, que imaginei morrer calculando, acabei morrendo de amor por você.    (via renascedor)

“— O que você vai fazer hoje?
— Seja mais direto.
— Que tal um encontro?
— Hum…
— Ok, minha língua encontra a tua a que horas?”
~ Seja mais direto. (via renunciador)

“Há quem diga que todas as noites são de sonhos. Mas há também quem garanta que nem todas, só as de verão. No fundo, isto não tem muita importância. O que interessa mesmo não é a noite em si, são os sonhos. Sonhos que o homem sonha sempre, em todos os lugares, em todas as épocas do ano, estando a dormir ou acordado.”
~ Shakespeare.  (via letifica-r)